musicas.mus.br

Letras de músicas - letra de música - letra da música - letras e cifras - letras traduzidas - letra traduzida - lyrics - paroles - lyric - canciones - SAUDADE - REALIDADE CRUEL - música e letra

Utilize o abecedário abaixo para abrir as páginas de letras dos artistas

A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z

Saudade letra


Ei, sangue bom, há pouco tempo eu conheci meu pai
Que por azar foi preso há uns 15 anos atrás
Por crimes que sozinho cometeu
Um reagiu, ele atirou, dois seguranças do banco morreram
É latrocínio, fodeu, saíram fora com a boa, mas a câmera havia filmado
Na região, retrato-falado, após três dias, meu pai caguetado
Quando saía fora da cidade, abastecendo veículo na Avenida da Saudade
Justo ele, porra, tinha mais três parceiros
Deixaram minha mãe falando comigo recém nascido e ela sem dinheiro
Sem acerto, e meu coroa lá preso
Todo esse tempo, amigo, se não for rico, tá fodido
O endereço é do distrito ao presídio, é foda
Crescemos numa miséria de vida
Minha mãe envelhecendo cada vez mais, sempre digna
Mandava carta todo mês pra lá
Não tínhamos condições pra ir pessoalmente visitar
Pois era longe
Não tinha dinheiro nem pra comer
Tínhamos que sobreviver com doações de vizinhos, amigos, assistentes social
Naquela tarde minha mãe começou a passar mal
Não tinha vaga pra internar
Morreu na porta do hospital
Derrame, morte cerebral
É aí que some o responsável do hospital
Com 11 anos de idade tudo que eu tinha na vida
Minha mãe exposta, jornais, ali falecida

Não, não vai embora, vou morrer de saudade
Não, não vai embora, vou morrer de saudade
Não, não vai embora, vou morrer de saudade
Não, não vai embora

Pode crer, eu estava sozinho no mundo afora
Roubava carteira de pedestres, quando não ganhava uma esmola
Fui pra FEBEM, me arrumaram lá
Mas era um inferno, a treta era constantemente
Não recebia visita, maluco, nem de parentes
Com 16 de idade esperava os 18 anos chegar
Domingo de visita, dona Rita veio me acordar
Moleque, tem alguém que quer lhe falar
Uma visita especial, acho que vai gostar
Arruma seus os pertences, é seu pai, ele veio te buscar
Daqui pra frente batalhem juntos
Construam um novo lar, é foda
O pobre só se fode e não tem direito a nada
Invadimos um terreno e construímos um barraco de tábua
Ah, só na corrida de um emprego agora
Só que a sociedade pra mim fecha as portas
Vários dias a pé, até que enfim arrumei um emprego na construtora ENCOM
Servente de pedreiro, tá limpo, seja o que for é um trampo digno
Me dirigia ao escritório, lá estava mais um playboy cínico
Ex-detento tá fodido, aqui não passa batido antecedente criminal
Cumpriu cadeia, artigo latrocínio, não dá, desse jeito não dá
Criminoso aqui, nessa empresa não entra, é falou, playboy filho da puta
Todo lugar é assim, ex-detento, eles recusam
O que fazer, fazer o que, meu filho, o jeito é roubar
O que valeram 15 anos pra eu me regenerar, agora eu vou me montar
Quero arma pra enquadrar, eu tenho uma fita boa, vou catar sossegar
Convidar três malucos com carros e armas no esquema
Estiveram presos comigo, nunca criaram problema
Foi combinado tudo a pampa, traíras safados
A confiança do meu pai fez dele um homem finado caralho
Horas e minutos contados, não sabiam o destino não sabiam o lugar
Não sabiam o que se passavam na mente dos manos que foram
Aliados de cela, trairás safados

Não, não vai embora, vou morrer de saudade
Não, não vai embora, vou morrer de saudade
Não, não vai embora, vou morrer de saudade
Não, não vai embora

Amanheceu o dia, meu pai firme, sossegado
Vou sair fora, volto à noite, dei boa sorte, dele um abraço
E ele disse: meu filho, as coisas vão mudar
Só essa vez, eu nunca mais vou precisar roubar ou matar
É dinheiro pra sossegar
Crocodilagem é foda, te pega de surpresa
Aliados de cela que sempre foram firmeza
A ambição falou mais alto em cada coração
Acabaram com nosso sonho, eu vi meu pai estirado no chão, todo perfurado
Na divisão do dinheiro, na tarde do dia marcado
Mataram pra ficar com a parte dele
Aí, maluco, com a parte dele não se conteve
Vários vizinhos ao redor do corpo
E um endereço de uma goma no bolso
Localizei o mocó dos safados
Eu e mais um maluco duas 9 2 P descarregados
Invadimos a goma tiroteio, salve meu mano Reinaldo
E dois no chão baleados
Por isso me encontro aqui enjaulado
Assinei 3 homicídios, até o do Reinaldo
É uma pá de anos, daqui nunca mais eu saio
Essa é a vida de mais um que chora atrás da muralha
E mandou a ideia a quem está aqui do lado de fora
"Espero que você, flagrante, escreva isso sem demora
E mande a mensagem a toda rapaziada o crime não compensa
Maluco, não entre nessa roubada
Essa foi minha história, desde a minha infância só tristeza, sem glória, saudade
Mais um detento aqui dentro chora, a solidão me incomoda, a solidão me incomoda

Não não vai embora, que saudade, saudade
Não não vai embora, não vá, não vá
Não não vai embora
Não não vai embora, que saudade, saudade
Não não vai embora, vou morrer de saudade
Não não vai embora, não vá, não vá
Não não vai embora, que saudade, saudade
Não não vai embora, não vá, não vá
Não não vai embora
Não não vai embora
Não não vai embora, vou morrer de saudade
Não não vai embora
Não não vai embora, vou morrer de saudade
Não não vai embora, não vá, não vá
Não não vai embora, que saudade, saudade
Não não vai embora, não vá, não vá
Não não vai embora

Realidade Cruel - Letras

©2003 - 2017 - musicas.mus.br